sexta-feira, 19 de julho de 2013

Uma reflexão sobre as Escolas Bíblicas em Igrejas Locais

As Escolas Bíblicas nas igrejas locais ainda são as melhores e as mais eficientes formas de ensinar a Palavra de Deus.
Entretanto, devem essas EB's se aperfeiçoarem em sua estrutura, formação e capacitação de educadores cristãos e liderança.
Por que?
Porque sabemos que o ideal em todo o trabalho é que ele seja executado de modo tão objetivo e prático que nos leve aos maiores e melhores resultados, no menor tempo e com os menores custos possíveis.
O objetivo básico da Escola Bíblica é ensinar a Palavra de Deus, a Bíblia, a todas pessoas, independente da faixa etária, da classe social ou da formação educacional que possuam (Deut. 31:12).
Este é o alimento a ser preparado e servido (Jer. 15:16).
Levando em consideração o acima exposto e entendendo que a alimentação básica de todo ser humano deve ser essencialmente a mesma, seja qual for a idade, raça ou nível social, ou seja, devem existir os nutrientes básicos como: vitaminas, proteínas, sais minerais, cálcio, etc..., chegamos a conclusão que a forma ou o modo de preparar e servir estes alimentos é que pode variar. 
É preciso então, que os que atuam e participam da organização e realização da Escola Bíblica atentem para isso, pois sendo a Bíblia o ALIMENTO VIVO a ser servido, o modo como se faz isto deve levar em conta as diferenças de idade, personalidade, grupos sociais, formação, etc.
A aplicação dos critérios adotados e aplicados pelo professor, requer um trabalho minucioso, dedicado e diligente no estudo, preparo, planejamento e apresentação das lições, o qual deve ser feito numa seqüência ordenada e planejada.
A estrutura e liderança também sevem ser atualizadas a nosso tempo e oportunidades. O uso da tecnologia e da melhor formação devem ser constantes pois uma Escola Bíblica bem estruturada com uma liderança capacitada e capacitadora trarão grandes benefícios ao trabalho de ensino cristão
Sendo assim, todo aquele que almeja ser um professor ou educador cristão deve, no mínimo, estar disposto a aprender noções básicas de teologia, didática, pedagogia, psicologia, administração, gestão e relações humanas na área de ensino.
Dito isso:
I. A IMPORTÂNCIA DO MINISTÉRIO DE ENSINO BÍBLICO
“E Ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo...”Efésios  4: 11,12.
A ordem de Cristo: Ide e ensinai é nossa responsabilidade diante desta e das futuras gerações. A ação satânica expressa na proliferação de seitas e heresias, das mais grosseiras e diversas e as transformações por que passa a sociedade a cada dia, somam-se na formação de um grande desafio para a Igreja de Cristo atual, e nós crentes de maneira nenhuma podemos ficar alheios a tais fatos.
O ministério de ensino se encontra de maneira incisiva e clara nas Escrituras.
O propósito, o método e os resultados deste ministério podem ser vistos tanto no Antigo Testamento como no Novo Testamento.
O propósito é proporcionar uma vida com abundância (João 10:10). O método também foi revelado por Cristo (Mateus 28: 19,20). O resultado inevitável do ensino da Palavra de Deus é a pessoa se voltando para Deus. Nem todos que ouvem, aceitam, conforme a História repetida vezes comprova.
Muitos, porém, aceitarão!

Hoje em dia, a Escola Bíblica subsiste como o único e maior centro de ensino bíblico que existe no mundo inteiro. Em todos os lugares onde o ministério de ensinar a Palavra de Deus tem sido ressaltado, dando-se-lhe inteira liberdade de se desenvolver, forma-se crentes sadios e maduros.
Resumidamente podemos afirmar que o ensino é o implantar da Palavra de Deus, de maneira concentrada e ordeira. Através do ministério de ensino, a Palavra é aplicada e sendo ela poderosa e vivificante provoca mudanças de atitude e forma o caráter cristão em quem é impactado e alcançado por ela.

II. HISTÓRIA E EMBASAMENTO BÍBLICO PARA O MINISTÉRIO DE ENSINO E ESCOLAS BÍBLICAS
“... o que ensina esmere-se no fazê-lo...”Romanos 12: 7
O ministério de ensino, e mais especificamente a escola bíblica hoje estão modernizados e aperfeiçoados, mas engana-se quem pensa que é um método novo ou simplesmente uma idéia trazida por alguém sem nenhum fundamento bíblico. Eles têm suas raízes aprofundadas na antiguidade do AT, nas orientações dadas por Deus aos patriarcas e ao povo de Israel e nas orientações dadas por Cristo a seus discípulos e a Igreja como entendemos hoje.
Claro que a escola como temos hoje não havia então, mas havia o princípio fundamental, o ensino bíblico determinado por Deus aos fiéis e aos que ainda não conheciam a Deus. Sempre pesou sobre o povo de Deus a responsabilidade de ensinar a lei divina.
Veja alguns momentos na história bíblica em que isto é confirmado:
  •   Nos dias de Moisés: O lar era de fato uma escola onde os filhos aprendiam a temer e amar a Deus (Deut. 6:7; 11:18,19). Havia também reuniões públicas de ensino (Deut. 31: 12,13).



  •   Na época dos sacerdotes, reis e profetas de Israel: Os sacerdotes, além do culto divino, tinham a responsabilidade do ensino da Lei (Deut. 24:8; 1 Sam. 12:23; 2 Cr. 15:3: Jer. 18:18).


  •   Durante o cativeiro babilônico: A sinagoga era usada como escola bíblica, casa de cultos e escola pública. A tradição judaica descreve que na sinagoga a criança recebia instrução religiosa dos 5 aos 10 anos; dos 10 aos 15 anos, continuava a instrução religiosa, agora com o auxílio dos comentários e tradições dos rabinos. Aos sábados, a principal reunião era a matutina, incluindo jovens e adultos.

  •   No pós-cativeiro: O capítulo 8 de Neemias dá o relato de como era a escola bíblica popular da época, ou como chamamos hoje: Escola Dominical. Esdras era o superintendente (Ne. 8:2); o livro-texto era a Bíblia (v.3); os alunos eram homens, mulheres e crianças (vs. 3; 12:43). Treze auxiliares ajudavam a Esdras na direção dos trabalhos (v.4) e outros treze serviam como professores ministrando o ensino (vs. 7,8). O horário ia da manhã ao meio-dia (v.3). Afirma o versículo 8 que os professores liam a Palavra de Deus e explicavam o sentido para que o povo entendesse.
  •   Nos dias de Jesus: Das 90 vezes que alguém se dirigiu a Cristo nos Evangelhos, 60 vezes Ele é chamado de “Mestre” (rabi). Grande parte do ministério de nosso Senhor foi ocupado com o ensino (Mat. 4:23: 9:35: Luc. 20:1, etc). Jesus ensinava nas sinagogas (Mc. 6:2), em casas particulares (Mc. 2:1; Luc. 5:17), no templo (Mc. 12:35), nas aldeias (Mc. 6:6), às multidões (Mc. 6:34) e a pequenos grupos e individualmente (Lc. 24:27; João 3 e 4). Seus apóstolos também ensinaram (Mc. 6:30b; At. 5:12).
  •   Nos dias da Igreja Primitiva: Após a ascensão do Senhor, os apóstolos e discípulos continuaram a ensinar. A Igreja dos dias primitivos dava muita importância a esse ministério (At. 5: 41,42).




III. Breve histórico da ED:
O movimento religioso que nos deu a Escola Dominical como temos hoje, começou em 1780, na cidade de Gloucester, no sul da Inglaterra. O fundador foi o jornalista evangélico (episcopal) Robert Raikes, de 44 anos. Raikes foi levado a fundar a ED ao sentir compaixão pelas crianças de sua cidade, perambulando pelas ruas, entregues à delinqüência, pilhagem, ociosidade e ao vício, sem qualquer orientação espiritual. Ele procurava as crianças em plena rua e em casa dos pais e as conduzia ao local da reunião, fazendo-lhes apelos para que todos os domingos estivessem ali reunidas. Outro grande incentivador da ED então ainda pequena, foi William Fox, evangélico batista que trabalhou harmonicamente com Raikes.
Mal sabia Raikes que estava lançando os fundamentos de uma obra espiritual que atravessaria os séculos e alcançaria todo o planeta, chegando até nós, a ponto de ter hoje dezenas de milhões de alunos e professores, sendo a maior e mais poderosa agência de ensino da Palavra de Deus que a Igreja dispõe.
A ED teve seu início no Brasil em 19 de agosto de 1855 na cidade de Petrópolis, RJ. Os fundadores foram os missionários escoceses Robert Kalley e sua esposa Dra. Sarah Kalley, da Igreja Congregacional.
Conclusão:
Preserve a Escola Bíblica, invista em professores maduros, treinados e capacitados pedagógica, bíblica e espiritualmente, aperfeiçoe seus métodos de ensino e verás um igreja sólida e firmada na Palavra.
Negligencie a Escola Bíblica e a formação de educadores cristãos e terás uma igreja invadida por heresias.
O que preferes?
Pr. Magdiel G Anselmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça seus comentários. Sua opinião é importante. Participe.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...