quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Uma Reflexão sobre a Contribuição Financeira na Igreja



"A contribuição no Reino de Deus deve ser a mais profunda expressão de amor e gratidão do filho ao Pai por tudo que Ele faz e por tudo que Ele é e não uma obrigação ou prestação mensal a pagar."







1. A QUESTÃO DO DÍZIMO NO NOVO TESTAMENTO
Muitos líderes diriam que não é aconselhável escrever sobre esse assunto, pois muitos não entenderão o propósito ou a questão em si.
Entretanto, meu compromisso é com a verdade bíblica e todos os desígnios de Deus devem ser propagados e ensinados.
Outros, pensam que escrever sobre esse tema trará prejuízos na arrecadação de suas congregações, pois as pessoas ficariam confusas. Não creio nisso! O bom ensino sempre trará clareza e despertará a reflexão mais profunda. Penso que menos emoção e mais reflexão bíblica é o que precisamos no atual contexto do evangelicalismo em nosso país.
Sendo assim, vamos ao assunto em questão.

Mateus 23:23: "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas."

Lucas 18:12: "Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo."

Hebreus 7:1-10: "1 Porque este Melquisedeque, que era rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou; 2 A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz; 3 Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre. 4 Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos. 5 E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão. 6 Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Abraão, e abençoou o que tinha as promessas. 7 Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. 8 E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive. 9 E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. 10 Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro."

Observe que o dízimo está claramente revelado no Novo Testamento como um costume hebraico (judaico) assim como a circuncisão, a guarda do sábado e tantos outros que ainda hoje são exigidos na religião e tradição judaica. Como vê nos textos acima, não há nenhum ensino, ordem, mandamento direto ou indireto, explícito ou implícito para que a Igreja prosseguisse com esse costume. O que fazer então neste caso? 
À partir dessas minhas observações, poderiam questionar: "Então não precisamos contribuir mais? Deus aboliu a contribuição na Igreja?
Respondo: "Claro que precisamos contribuir e o Novo Testamento nos ensina como, porque e para que.
Ora, já que entende-se que o dízimo não está como uma norma para o NT (texto normativo do AT), e entendendo a relevância do AT para a correta interpretação e entendimento do texto neotestamentário, devemos então extrair o princípio bíblico do AT com relação a contribuição, ou seja, interpretamos que, assim como no AT, todos os que servem e temem a Deus, chamados à partir do NT de cristãos, devem contribuir com seus bens, posses (e dinheiro) para o prosseguimento da obra de Deus nesta terra. Assim como os dízimos e ofertas eram usados no AT com fins de manutenção do templo e do ministério sacerdotal, no NT, as contribuições dos cristãos devem ser usadas para a manutenção, aperfeiçoamento e progresso da obra de Deus.
Percebe-se então que à medida que analisamos a questão, vamos chegando a conclusão que no Novo Testamento existe um ensino muito mais profundo sobre a contribuição.

parenteses: "não quero aqui afirmar que as pessoas que dizimam atualmente estão cometendo um pecado. Deus conhece os corações das pessoas e sabe quais são suas intenções e propósitos. O que estou afirmando é que o ensino neotestamentário é muito mais profundo que simplesmente dar ou pagar um percentual mensal na igreja."

Calma dizimista! Não ceda a tentação de parar de ler... mesmo indignado com o que leu prossiga, pois exponho mais profundamente o ensino neotestamentário sobre as contribuições na Igreja a seguir.

Vejamos então...

2. CONTRIBUIÇÕES: OFERTAS E DOAÇÕES

"Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria." (2Cor 9:7).

"Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente." (2Co 8:3).

1 Coríntios 16:1-2: "1 Ora, quanto à coleta que se faz para os santos, fazei vós também o mesmo que ordenei às igrejas da Galácia. 2 No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, conforme a sua prosperidade, para que não se façam as coletas quando eu chegar."

Em nosso texto, o apóstolo Paulo dá direções à igreja de Corinto: é em proporção ao quanto [cada um] tem prosperado que eles devem dar na coleta para os santos em Jerusalém, [os quais estão] em grande pobreza [e passando por enormes aflições]. Observe que não existe nenhuma menção dos santos em Corinto darem um dízimo [ou qualquer outra percentagem imposta], eles são instruídos a darem proporcionalmente à sua prosperidade. O ponto em foco é simples -- aqueles com mais dinheiro dêem mais, aqueles com menos dinheiro, podem dar menos.



Atos 11:27-30: "... 29 E os discípulos determinaram mandar, cada um conforme o que pudesse, socorro aos irmãos que habitavam na Judéia. ..."

Note, na narrativa, que foi proporcionalmente aos seus meios que os irmãos em Antioquia ofertaram para os irmãos que sofriam na Judéia. Em outras palavras, deram de acordo com suas capacidades. Aqueles com mais dinheiro deram mais, aqueles com menos dinheiro deram menos. Nada mais claro nem mais simples.
2 Coríntios 9:7: "Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria."

Aqui, Paulo dá direções à igreja, para que dêem aquilo que têm proposto em seus corações. Note que o apóstolo não lhes diz quanto dar, nem lhes impõe uma percentagem fixa como padrão. Ele simplesmente lhes diz que, o que quer que tenham decidido ofertar, devem ir em frente e efetivarem esse ofertar. Muitas vezes, no instante em que vemos uma necessidade, determinamo-nos a dar uma certa quantia, mas depois, quando o tempo de dar nos alcança, somos tentados a voltar atrás ou ficar aquém. Paulo ensina que devemos ser fiéis em fazer o bem segundo o que já tínhamos proposto em nosso coração. Mas note igualmente que o apóstolo Paulo deixa o valor a critério dos Coríntios. Não devemos permitir que outras pessoas, indevidamente nos manipulem ou nos intimidem psicologicamente ou de qualquer outra forma, levando-nos a dar por um sentimento de culpa ou de pressão. Não deve haver nenhuma compulsão externa em nosso dar; o valor tem que ser nossa própria decisão.
Estes textos do Novo Testamento nos ensinam que Deus deixa a nós o decidirmos sobre o valor das nossas contribuições. Sim, devemos dar em proporção aos nossos meios e a como Deus nos tem prosperado; ...  mas, ao final, somos livres para darmos aquilo que temos o desejo de dar. Quão libertador isto é, quando consideramos as táticas manipulativas de arrancar dinheiro que muitas igrejas de hoje tão freqüentemente usam. Muitos irresponsáveis pressionam o povo, e se não derem o estipulado, a obra de Deus fracassará. Os membros da congregação são pressionados a escrever e telefonar para parentes, pedindo dinheiro. Há campanhas pressionando para promessas [assinaturas de carnês, notas promissórias e outros documentos morais e legais]  e para o fundo de construção, com grandes gráficos coloridos. À medida que o tempo passa, todos são pressionados a dar mais e mais. Permita-me submeter-lhe que tudo isto corre em direção contrária aos ensinos do Apóstolo em 2Co 9:7. A  vontade de Deus é que, quando vemos uma necessidade, oremos fervorosamente por direção sobre como podemos satisfazer aquela necessidade. Então, com base na nossa situação financeira, ofertamos com um coração prazeroso e alegre.

3. O PROPÓSITO DAS CONTRIBUIÇÕES

A quais tipos de necessidades devemos usar nosso dinheiro para satisfazer? Será que o Novo Testamento nos dá alguma luz sobre este importante assunto? Creio que as Escrituras são muito claras nesta área. O Novo Testamento ensina que há três propósitos para nosso ofertar:

a. Satisfazer as necessidades dos santos:

Atos 2:44-45 "44 E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. 45 E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister."
O espírito de amor e generosidade era tão grande, na igreja primitiva, que os crentes, de própria vontade e alegremente, abriram mão de suas próprias propriedades e possessões, para ministrarem às necessidades dos outros santos. Eles chegaram mesmo a ponto de vender suas terras e casas para tomarem conta um do outro (Atos 4:34).

1 João 3:17"Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus?"

Gálatas 6:9-10 "9 E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido. 10 Então, enquanto temos tempo, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé."
Embora o "façamos bem" não seja claramente definido, seguramente incluiria o ofertar para satisfazer as necessidades dos domésticos da fé.

b. Satisfazer as necessidades dos obreiros cristãos:

Além de usarmos nosso dinheiro para satisfazer as necessidades dos nossos irmãos e irmãs em Cristo, as Escrituras também nos levam a usar nosso dinheiro para sustentar os que trabalham na obra do Senhor. Consideremos as seguintes passagens:

1 Timóteo 5:17-18: "17 Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina; 18 Porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. E: Digno é o obreiro do seu salário."

Neste texto, "honra" tem que significar mais que meras estima e respeito, pois, no verso 3 do mesmo capítulo, Paulo manda a Timóteo "Honra as viúvas que verdadeiramente são viúvas." Honrar estas viúvas é prover para elas (v. 8) e assisti-las (v. 16). Portanto, quando Paulo menciona "honrar" os anciãos que trabalham duramente na pregação e ensino [da Palavra], imediatamente depois que ele mencionou honrar as viúvas, Paulo tem que ter a mesma coisa em mente -- prover e assistir aos anciãos financeiramente, de modo que possam se dedicar ao trabalho de labutarem na Palavra. Ancião era um termo usado na época não para designar pessoas de idade avançada, mas para aqueles que tinham uma posição perante a congregação de responsabilidade e de autoridade de pregar e ensinar a Palavra de Deus. Um ancião ensinador é como um boi que deve ser permitido comer enquanto está debulhando. Em outras palavras, deve ser sustentado e cuidado enquanto está trabalhando com todo esforço. Ele também é como um operário, o qual é digno de seu salário. A uniforme prática apostólica do Novo Testamento foi a de apontar anciãos (pastores) para superintenderem as igrejas que os apóstolos plantavam. Paulo simplesmente está dirigindo as igrejas a proverem e assistirem financeiramente estes obreiros, de modo que possam dar seu tempo à tarefa de ministrarem ao rebanho.

1 Coríntios 9:6-14 "6 Ou só eu e Barnabé não temos direito de deixar de trabalhar? 7 Quem jamais milita à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta o gado e não se alimenta do leite do gado? 8 Digo eu isto segundo os homens? Ou não diz a lei também o mesmo? 9 Porque na lei de Moisés está escrito: Não atarás a boca ao boi que trilha o grão. Porventura tem Deus cuidado dos bois? 10 Ou não o diz certamente por nós? Certamente que por nós está escrito; porque o que lavra deve lavrar com esperança e o que debulha deve debulhar com esperança de ser participante. 11 Se nós vos semeamos as coisas espirituais, será muito que de vós recolhamos as carnais? 12 Se outros participam deste poder sobre vós, por que não, e mais justamente, nós? Mas nós não usamos deste direito; antes suportamos tudo, para não pormos impedimento algum ao evangelho de Cristo. 13 Não sabeis vós que os que administram o que é sagrado comem do que é do templo? E que os que de contínuo estão junto ao altar, participam do altar? 14 Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho."

Nesta passagem Paulo está clamando que os apóstolos tinham todo o direito de abster-se de [viverem de] trabalhos seculares e todo o direito de receberem o sustento material daqueles a quem serviam. De fato, Paulo assevera que o Senhor mandou àqueles que proclamam o Evangelho que obtenham seu viver do Evangelho.

Filipenses 4:15-18 "15 E bem sabeis também, ó filipenses, que, no princípio do evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja comunicou comigo com respeito a dar e a receber, senão vós somente; 16 Porque também uma e outra vez me mandastes o necessário a Tessalônica. 17 Não que procure dádivas, mas procuro o fruto que cresça para a vossa conta. 18 Mas bastante tenho recebido, e tenho abundância. Cheio estou, depois que recebi de Epafrodito o que da vossa parte me foi enviado, como cheiro de suavidade e sacrifício agradável e aprazível a Deus."

Neste texto o apóstolo declara expressamente que a dádiva (ofertas) que os filipenses lhe haviam enviado foi um fragrante aroma, um sacrifício aceitável, e foi agradável a Deus. O próprio Deus nos tem dado sua aprovação para usarmos nosso dinheiro para sustento de fiéis obreiros cristãos. Portanto, é importante que o povo de Deus utilize seus recursos financeiros para sustentar obreiros cristãos, quer sejam pastores de uma igreja local, ou evangelistas itinerantes, ou ainda, missionários.

c. Satisfazer as necessidades dos pobres:

Em adição ao uso do nosso dinheiro para satisfazer às necessidades dos santos e dos obreiros cristãos, as Escrituras também nos mandam usar nosso dinheiro na satisfação das necessidades dos pobres. Considere os seguintes textos:

Lucas 12:33-34 "33 Vendei o que tendes, e dai esmolas. Fazei para vós bolsas que não se envelheçam; tesouro nos céus que nunca acabe, aonde não chega ladrão e a traça não rói. 34 Porque, onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração."

Efésios 4:28 "Aquele que furtava, não furte mais; antes trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade."

Aqui a pessoa que sofre a necessidade não é identificada como crente, mas presumivelmente pode ser qualquer um padecendo privação.

Tiago 1:27 "A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo."

Visitar órfãos e viúvas em suas necessidades tem que significar mais que fazer-lhes uma mera visitinha social. Está implícita na declaração, a idéia de ajudar estes órfãos e viúvas, o que, sem dúvidas, requereria ofertar sacrificialmente.Como temos visto, podemos desta maneira sumariar o ensino do Novo Testamento sobre o propósito do ofertar:


[a] satisfazer as necessidades dos santos,
[b] satisfazer as necessidades dos obreiros cristãos, e
[c] satisfazer as necessidades dos pobres.


Note que o ofertar (contribuir), no Novo Testamento, é sempre para satisfazer as necessidades das pessoas. É interessante que não há nenhuma orientação bíblica para que a maior parte do dinheiro seja usada para construção, obtenção ou reforma dos prédios da igreja! A Bíblia simplesmente não fala de nenhuma igreja entrando em débito para comprar ou construir caros prédios, pela simples razão de que a igreja primitiva não se reunia em prédios especiais. Eles se reuniam em casas. Assim, não havia despesa "não estrita e diretamente com o Evangelho e com pessoas" tal despesa, só faria drenar a energia e as finanças da igreja. Desta maneira, todas as ofertas do povo de Deus podiam ir diretamente para satisfazer as necessidades de pessoas.

Parênteses: "Não sou contra as igrejas possuírem prédios e estrutura física para receber as pessoas. Entretanto, a maior parte do dinheiro não DEVE ser usada para isso e quando for usada deve-se ter critérios bem claros e bíblicos. É preferível se reunir em uma tenda e priorizar as pessoas que ali se reúnem, do que se reunir em templos grandiosos sem cuidar da gente que ali vai. As pessoas são MUITO MAIS IMPORTANTES  do que coisas."

4. O MODO DE CONTRIBUIR

Além de nos iluminar sobre o valor total e sobre o propósito do nosso ofertar, as Escrituras nos ensinam diversos modos sobre como devemos contribuir.

a. Devemos ofertar anonimamente:

Em Mateus 6:1-4 Guardai-vos de fazer a vossa esmola diante dos homens, para serdes vistos por eles; aliás, não tereis galardão junto de vosso Pai, que está nos céus. 2 Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. 3 Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita; 4 Para que a tua esmola seja dada em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, ele mesmo te recompensará publicamente.

Jesus nos ensina a ofertar em segredo, para que aquele que vê em segredo nos recompense. Este tipo de ofertar é preferível pois protege o ofertante de orgulho espiritual. Quando você quiser dar uma oferta a alguém ou a igreja procure maneiras de satisfazer a necessidade que você percebeu, sem que o beneficiário seja alguém ou a igreja jamais saiba quem deu o dinheiro.

b. Devemos ofertar voluntariamente (por nossa vontade, com amor):

2 Coríntios 8:3-4 diz "3 Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente. 4 Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos."

Somos aqui ensinados que as igrejas da Macedônia deram de suas próprias vontades. Ninguém os estava manipulando emocional e psicologicamente, nem lhes torcendo o braço, obrigando-os.

Em 2Cor 9:7 Paulo diz "Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria."
Se não devemos ofertar com tristeza ou sob compulsão externa, então devemos ofertar voluntariamente, de ânimo pronto, com prazer e alegria. Deus quer que nosso ofertar provenha do nosso coração. Ele quer que ofertemos porque temos todo o desejo de fazê-lo.

c. Devemos ofertar expectativamente:

Quando ofertamos, devemos esperar que Deus nos abençoe nesta presente vida. Isto nada tem a ver com a Teologia da Prosperidade, mas sim com a promessa de ser abençoado por Deus segundo os Seus propósitos para cada crente. 
Consideremos os ensinos do apóstolo Paulo.

2 Coríntios 9:6 "E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará."

Quando alguém semeia por girar seu braço e espalhando abundantemente as sementes com a mão aberta, parece que está apenas jogando fora bom grão. Mas, se ele firmemente prendesse as sementes na sua mão [não deixando nenhuma escapar], ou se apenas jogasse uma ou duas sementes, teria uma ceifa muito pequena. Assim também com o ofertar do crente. Se dermos com uma mão aberta e generosa, podemos esperar que colhamos abundantemente a aprovação de Deus. Isso não significa que ficaremos ricos materialmente falando, isso significa que seremos abençoados segundo os propósitos de Deus. Esta benção pode ser um simples sorriso de Deus como aprovação, ou uma recompensa, ou apenas, a afirmação "fizestes sua obrigação". Seja qual for a reação de Deus como aprovação por nossa atitude, esta será sempre a maior e melhor benção que poderíamos receber, pois Deus sabe o que faz. A verdade é que devemos ser obedientes e amarmos Sua obra de forma objetiva (ação) com aquilo que Deus nos permite "ter" e "possuir" (aspas pois tudo, na verdade, é de Deus) nesta vida. Contribuímos por amor e não por interesses em enriquecer materialmente ou ainda, em sermos reconhecidos pelos homens como "boas pessoas". 
John Bunyan disse uma certa vez: "Um santo nunca dizia 'esta moeda é minha', e, quanto mais ele ofertava, mais ele tinha." Muitos têm torcido 2Cor 9:9 como se ensinasse que Deus quer que ofertemos tendo, dentro de nós mesmos, o objetivo de recebermos. Este tipo de ensino apela para a carne, e faz crescer um espírito de avareza e cobiça nos crentes. Mas, ao contrário disto, Paulo nesta passagem está ensinando que devemos ofertar com o objetivo de receber mais para podermos ofertar [ainda] mais, ou seja, não há interesse pessoal mas sim, o interesse em ser um canal de bençãos para os demais.
Vejamos como Paulo expressa isto, nos versos 8-11: "8 E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, A FIM DE QUE, tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda a boa obra; 9 Conforme está escrito: Espalhou, deu aos pobres; A sua justiça permanece para sempre. 10 Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça; 11 Para que em tudo enriqueçais PARA toda a beneficência, a qual faz que por nós se dêem graças a Deus."
Notemos, nesta passagem, que Paulo está asseverando que Deus abençoará o ofertante generoso fazendo toda a graça abundar sobre ele, para que, em conseqüência, este tenha uma abundância para toda boa obra. Ademais, Deus promete multiplicar a semente do ofertante para semear e [promete] aumentar a colheita de sua retidão. Estas passagens sem dúvida alguma apontam para o fato de que Deus abençoa aqueles que ofertam, não necessariamente, de forma material ou financeira, mas certamente a atitude daquele que contribui, agrada a Deus. Uma vez que Deus é o maior ofertante de todos, devemos nos esforçar para sermos na semelhança Dele. E a única maneira de podermos ser maiores ofertantes no futuro é começarmos a dar generosamente agora! É muito interessante que isto seja exatamente o que os Provérbios de Salomão nos ensinam, embora tenham sido escritos centenas de anos antes.

Provérbios 19:17 "Ao SENHOR empresta o que se compadece do pobre, Ele lhe pagará o seu benefício."
Provérbios 11:24-25 "24 Ao que distribui mais se lhe acrescenta, e ao que retém mais do que é justo, é para a sua perda. 25 A alma generosa prosperará e aquele que atende também será atendido."

Em adição, também devemos esperar que Deus nos abençoará na vida futura. Se há uma coisa que a Bíblia deixa muito clara é que, quando ofertamos estamos entesourando para nós mesmos tesouros no céu. Note a ênfase nos tesouros celestiais, futuros, nas seguintes passagens:

Mateus 6:19-21 "19 Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; 20 Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. 21 Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração."
Lucas 12:33 "Vendei o que tendes, e dai esmolas. Fazei para vós bolsas que não se envelheçam; tesouro nos céus que nunca acabe, aonde não chega ladrão e a traça não rói."
1 Timóteo 6:18-19 "18 Que façam bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis; 19 Que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam alcançar a vida eterna."

Em todas estas passagens (quer dirigidas aos discípulos, ao rico jovem proprietário, ou aos opulentos crentes de Éfeso) a mensagem é a mesma - o generoso ofertar será recompensado por tesouros celestiais. Preferirias tu ter seu tesouro na terra, onde perecerá, ou no céu, onde o gozarás eternamente? Tua resposta a esta pergunta terá muito a ver com o como verás e usarás tuas riquezas.
d. Devemos ofertar animadamente (com ânimo, alegria):

Em 2Coríntios 9:7 nós aprendemos qual espírito devemos ter ao ofertarmos "Cada um contribua segundo propós no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria."

Se cada crente soubesse quão grande chuva de bênçãos gozaríamos através do ofertar, seríamos como os crentes da Macedônia, que imploraram a Paulo para terem a oportunidade de ofertar (2 Cor 8:3-4)! Ofertar deveria ser visto como um grande privilégio, não como uma pesada carga ou um doloroso dever. Deus não deseja que seu povo oferte movido por um sentimento de compulsão [ser empurrado à força e contra a vontade], mas sim movido por uma atitude de alegria e animação. A suprema e definitiva passagem no NT que declara a atitude com a qual devemos ofertar, descrevê-a como "com alegria".
Que Deus nos ajude a ofertar em um espírito que O honre!
e. Devemos ofertar sacrificialmente:

Nas Escrituras temos vários exemplos onde Deus olha com aprovação para o nosso ofertar sacrificial:
2 Coríntios 8:1-5 "1 Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus dada às igrejas da Macedónia; 2 Como em muita prova de tribulação houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza abundou em riquezas da sua generosidade. 3 Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente. 4 Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos. 5 E não somente fizeram como nós esperávamos, mas a si mesmos se deram primeiramente ao Senhor, e depois a nós, pela vontade de Deus."

Logo de partida, notemos que os crentes macedônicos tinham pouquíssimos dinheiro e bens. São descritos como estando suportando muita aflição e experimentando profunda pobreza. Apesar de tudo, também é dito que tinham ofertado além das suas possibilidades! Que Deus nos habilite a os imitarmos em nossas próprias vidas!
Mas veja que eles não foram pressionados ou manipulados para tal atitude. Ofertaram dessa forma porque desejaram sem nenhuma pressão externa. Bem diferente dos atuais "sacrifícios de fé" que vêmos em igrejas brasileiras onde a pressão psicológica é usada para oprimir as pessoas e obrigá-las a ofertar além de suas condições financeiras.
Marcos 12:41-44 "41 E, estando Jesus assentado defronte da arca do tesouro, observava a maneira como a multidão lançava o dinheiro na arca do tesouro; e muitos ricos deitavam muito. 42 Vindo, porém, uma pobre viúva, deitou duas pequenas moedas, que valiam meio centavo. 43 E, chamando os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva deitou mais do que todos os que deitaram na arca do tesouro; 44 Porque todos ali deitaram do que lhes sobejava, mas esta, da sua pobreza, deitou tudo o que tinha, todo o seu sustento."

Jesus escolheu esta mulher para servir aos seus discípulos de maravilhoso exemplo do ofertar. Quando Cristo viu o espírito sacrificial dela [amoroso e de vontade livre e boa], Ele chamou os Seus discípulos para se aproximarem, observarem, e aprenderem uma lição, através da vida dela. Que também aprendamos, e saiamos, e façamos semelhantemente!
Podes tu afirmar que teu ofertar é caracterizado por um espírito de sacrifício com felicidade? Teu ofertar realmente te é custoso? Realmente representa um sacrifício? Na realidade, não é quanto ofertamos que é tão importante, mas sim quanto é que resta e guardamos para nós mesmos, depois de ofertarmos. Que nosso grande e glorioso Deus nos habilite a praticarmos um gozoso e sacrificial ofertar! 

Conclusão
As Escrituras decididamente ensinam que os crentes devem ser ofertantes, doadores ou contribuintes generosos, sacrificiais, expectantes, e gozosamente animados! Será que isto descreve você?
A contribuição dos crentes não pode se resumir a uma obrigação mensal como uma prestação a pagar e a inserção de seu nome em uma lista fixada no mural da igreja como se aqueles ali fossem mais crentes ou mais espirituais que os demais. Não, mil vezes não!
Paremos de inventar normas que não encontram respaldo bíblico.
Contribuir e ofertar na igreja é muito mais profundo do que esse legalismo com roupagem de piedade.
É minha sincera oração que o Espírito Santo use este artigo para o desafiar a repensar os seus padrões de contribuição na igreja, e para verificar se eles se alinham com a vontade de Deus, conforme expressa no Novo Testamento. Se não estiverem, vá ao Senhor em oração e peça-lhe o poder e a graça para lhe obedecer plenamente em todas as coisas.

Pr. Magdiel G Anselmo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...