sábado, 28 de janeiro de 2012

Marcas do Evangelho de Cristo e de sua fiel pregação

Existem muitos "evangelhos" sendo pregados, propagados e ensinados pelo mundo afora, todavia somente há um Evangelho de Cristo e este está baseado, fundamentado e relatado nas Escrituras Sagradas, sendo-nos comunicado pelo Espírito Santo através da pregação bíblica.
Muitos púlpitos carecem de um pregador fiel às Escrituras. Mensagens motivacionais, de auto-ajuda, filosóficas, e até místicas estão substituindo a verdadeira pregação apostólica. Muitos pregadores e pastores sequer se preparam adequadamente para subirem ao púlpito, levando ao rebanho apenas divagações ou conceitos que todos estão cansados de ouvir e saber, mas não há uma aplicação sincera e fiel dos princípios bíblicos ao cotidiano das pessoas presentes.
Por isso, a necessidade de se ressaltar quais são as marcas que autenticam o verdadeiro Evangelho de Cristo.
Este legítimo Evangelho (Boas novas) tem características marcantes e produz na vida daquele que é alcançado por ele, mudanças profundas, visíveis e radicais. A seguir algumas dessas mudanças serão mencionadas.

1. O Evangelho de Cristo é comunicado pela pregação da Palavra de Deus
(1 Cor. 1:18-25)

Partindo dessa premissa revelada na Bíblia, chegamos a conclusão que somente ocorrerão conversões verdadeiras onde está sendo pregado esse Evangelho.
Dessa forma, entendemos que onde pretensos pregadores usam púlpitos para propagar opiniões pessoais ou de outros, filosofias humanas de vida e de comportamento para o ser humano, técnicas de indução ou pressão psicológicas, idéias e concepções que não encontram nenhum respaldo na Bíblia, ou como diz alguém "ficar enrolando o povo", fruto de despreparo para se pregar (e esse despreparo é visívelmente notado pois fala-se muito e diz-se nada), certamente não haverão ali conversões verdadeiras.
Quando não existe a mensagem de salvação sendo pregada de forma fiel às Escrituras, não adiantarão palavras bonitas ou rebuscadas, oratória excelente ou carisma. As emoções podem ser aguçadas e despertadas, porém, "as palavras de vida eterna" (João 6:68) que as pessoas precisam para que haja a operação convencedora e milagrosa do Espírito não serão ali comunicadas e portanto, continuarão mortas em seus pecados e delitos.
E se por acaso, nestes ambientes houver alguma pessoa salva advinda de outros ambientes, não encontrará o alimento necessário para sua vida espiritual e para o dia-a-dia, e consequentemente, prosseguirá como um "bebê", não sabendo como agir diante dos problemas e dilemas da vida.

Aqui vale uma observação: Mesmo em igrejas locais que sempre foram exemplos de fidelidade às Escrituras é necessário que os crentes fiquem alertas às infiltrações e ardis sutis de satanás que tentam trazer ao ambiente cristão práticas e filosofias totalmente contrárias aos princípios e valores revelados na Bíblia.
Desta forma, tal qual os bereanos, devemos analisar tudo que é pregado, ensinado e comunicado à luz da Palavra de Deus.  Sempre vigiar pois o diabo está em derredor como se fosse um leão, pronto a nos atacar, se não ficarmos atentos e alertas.

2. O Evangelho de Cristo prega o arrependimento.
(Atos 3:19)

Revela ao ser humano (criatura de Deus) que ele é pecador (separado de Deus) e necessita de um salvador (está condenado ao inferno).
O arrependimento é fundamental na pregação do Evangelho. Não basta saber que Deus existe e que Nele há salvação, é sim necessário arrepender-se dos seus pecados, confessá-los a Deus, pedir perdão e então reconhecê-lo como o único e suficiente Salvador e Senhor. (1 João 1: 9).
O primeiro passo é o arrependimento sincero e incondicional.

Aqui vale mais uma observação: Arrependimento não é simples remorso, denota mudança de atitudes, opiniões, valores e princípios. É transformação total e integral. Arrependimento conforme ensinado na Bíblia, não é simplesmente ter certeza de que está errado, é por saber disso, parar de cometer os mesmos erros. É realmente mudar de vida.
Claro que o processo de santificação varia de pessoa para pessoa, porém o novo-convertido deve ser ensinado sobre todos os assuntos da vida e advertido de que o discípulo de Cristo deve obedecer a seu Senhor.
O pregador não pode temer afirmar essa verdade. Esta é sem dúvida, a verdadeira pregação do Evangelho.
Se não houve arrependimento, não haverão mudanças, e certamente não houve conversão. 

3. A pregação do Evangelho de Cristo (e somente através dela) produz conversões autênticas.
(1 Coríntios 1: 21)
A Palavra de Deus nos afirma "pelos frutos os conhecereis". Portanto, o verdadeiro cristão produz frutos que autenticam sua verdadeira filiação. Da mesma forma, a conversão também pode ser autenticada pelos frutos da vida do então "novo-convertido", ou seja, quem é verdadeiramente salvo é uma nova criatura (2 Cor. 5:17), e terá, com certeza, uma nova forma de ver e entender a vida, Deus e tudo o mais.
Há um erro grave em alguns cristãos e alguns grupos religiosos em pensar que alguém é realmente convertido quando simplesmente frequenta regularmente uma igreja, ou fala como crente ou veste-se como as regras que seu grupo determina, ou ainda porque um dia levantou a mão e foi à frente em um culto, após um "apelo" insistente e emocionado do pregador.
Sei que pode ser verdadeiro em alguns casos essa conversão (não limito o poder de Deus e muito menos busco cercear o seu modo de agir).  Claro que pode ocorrer, porém não são estes os frutos que a Bíblia nos revela e que autenticam o verdadeiro cristão.
Veja alguns desses frutos:

a) Amor a Deus (em tudo que faz, pensa e fala, considera o que Deus pensa sobre isso)

b) Amor às pessoas (respeitando-as, compreendendo-as, abençoando-as, perdoando-as e em alguns casos, suportando-as)

c) Mudança de atitudes quando ninguém vê (profissionalmente, acadêmicamente, etc...)

d) Alegria (mesmo quando com problemas e em meio a dificuldades)

e) Fé (não importando as circunstâncias)

f) Paz (busca a paz, é pacificador)

g) É um evangelista (tem prazer em falar de Jesus às pessoas)

h) Não tem vergonha de afirmar com alegria que é convertido ao Evangelho de Cristo.

A conversão é total, é uma guinada de 180 graus. Não é simplesmente emocionalismo, não é superficial, nem tradicionalismo. É enfaticamente, um novo-nascimento.


4. O Evangelho de Cristo ensina a humildade
(Mateus 5: 3)

Humildade não é sinal de fraqueza e nem antônimo de firmeza. No contexto bíblico é uma virtude do cristão que o leva a ouvir as pessoas, refletir e discernir sobre o que ouviu e então decidir qual posição e decisão tomar.
Humildade é, não importando o cargo ou posição que ocupe, ter a atitude de reconhecer que todos os irmãos em Cristo podem ser usados por Deus para nos abençoar de alguma forma. É acima de tudo crer na soberania divina e em seus propósitos eternos, e estar pronto a reconhecer erros e limitações.
Ser humilde é ser "ensinável" e por vezes se colocar em posição de aprendiz.
Um cristão que se diz filho de Deus, e que não possui essa virtude, ou não entendeu o básico sobre o Evangelho e por isso "engatinha" ou não é verdadeiramente um filho de Deus.

5. O Evangelho de Cristo ensina o já salvo a como viver de tal forma que agrade a Deus e se porte dignamente como um filho de Deus.
(Mateus 5,6,7)

A mensagem "venha como estás e permaneça como estás" não é a mensagem bíblica.
Se o cristão somente for ensinado a crer e não como deve fazer para colocar em prática os ensinamentos de Deus, certamente não saberá como viver e continuará pecando por falta de conhecimento.
A advertência em abandonar os pecados deve ser pregada constantemente nas igrejas e em todas as oportunidades (num sermão, estudo bíblico, EBD, evangelismo, grupos pequenos, etc...)
Se somente pregar aos não salvos e desprezar os já salvos, não se terá ali uma igreja, mas sim uma creche espiritual, onde poucos cuidarão de muitos, e em alguns casos, vêmos crianças tentando cuidar de outras crianças.
O Evangelho traz as duas mensagens: a de salvação para os perdidos e a de edificação para os salvos. As duas devem ser pregadas e ensinadas.

Aqui vale outra observação: Quando não há o ensino sistemático da Palavra, o que acontece invariavelmente são duas situações: a primeira é que as ovelhas procurarão outra pastagem para se alimentar e podem pelo caminho serem apanhadas pelos lobos que estão a espreitar o rebanho. A segunda é que por não ter conhecimento bíblico suficiente ingressam em grupos heréticos que as confundirão e as deixarão enfermas. Cabe então aos fiéis pastores e pregadores da Palavra alimentar o povo de Deus com todo o cardápio bíblico oferecido evitando assim esses problemas. 

Conclusão

Muitas outras marcas eu poderia mencionar para demonstrar a autenticidade do Evangelho de Cristo. Mas penso que essas já ajudam a compreender a questão de tantos grupos e cristãos viverem e pregarem um "evangelho" que não é o de Cristo.
O erro na grande maioria das vezes está na mensagem que é pregada. Prega-se um evangelho sem conversão, sem arrependimento, sem humildade, sem ensino para a vida, sem mudanças de atitudes e sem abandonar pecados. 
Alguns acreditam que serão salvos apenas porque foram "criados" na igreja ou porque conhecem textos bíblicos e até gostam dos cultos e dos irmãos.
O que precisamos sempre bradar é que o Evangelho de Cristo tem marcas visíveis e radicais na vida do pecador salvo.
Os que serão salvos, o serão através da atuação poderosa do Espírito na pregação do Evangelho de Cristo.
Os crentes ao ouvirem a mensagem evangélica na unção do Espírito sendo pregada principalmente em forma de sermão, são impactados de tal forma que saem da igreja prontos para a vida, confortados, consolados ou advertidos, repreendidos.
Esta pregação do Evangelho, reafirmo, é que salva, liberta, transforma, orienta e dá-nos condições de continuar vivendo nesse mundo glorificando a Deus.
As demais são apenas doutrinas de homens e até de demônios, nada podem fazer e trazer de bom ao ser humano no que tange a busca de sua dignidade e de sua salvação.

Que sejamos sempre fiéis a Palavra de Deus e a preguemos com seriedade e fidelidade.

Sola Scriptura !

"Pois não me envergonho do Evangelho, porque é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no Evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé."
Romanos 1: 16,17.

A Deus toda glória, louvor e poder !

Pr. Magdiel G Anselmo


domingo, 22 de janeiro de 2012

Coisas detestáveis e abomináveis

"Seis coisas o Senhor aborrece, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam em fazer o mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contenda entre irmãos".  Provérbios 6: 16-19.

A Bíblia está repleta de textos e narrativas de situações onde o amor e a graça de Deus nos são revelados. Porém, precisamos atentar também para aqueles outros onde são ressaltados atitudes que cometemos e situações que vivemos que Deus detesta e abomina.
Ao observarmos esse texto, façamos uma autoanálise para descobrirmos se estamos praticando essas atitudes e vivenciando situações que Deus considera detestáveis e abomináveis.

1. Deus detesta OLHOS ALTIVOS (olhar orgulhoso)
Como os olhos são as janelas da alma, eles transmitem o que está em nosso coração. Um coração cheio de arrogância e orgulho se mostrará no tipo de olhar da pessoa.
Há alguns textos nos Evangelhos que descrevem "olhares" de Jesus, de como Ele transparecia seus sentimentos:
"E Jesus, olhando para ele, o amou, e lhe disse: uma coisa lhe falta..." (Mc. 10:21)
"E olhando ao redor para eles com indignação, condoendo-se da dureza dos seus corações, disse ao homem: Estende a sua mão. Ele a estendeu, e lhe foi restabelecida." (Mc. 3:5)
E outros textos bíblicos mostram-nos a transparência do olhar humano, como:
"Olhar altivo e coração orgulhoso, tal lâmpada dos ímpios é pecado".
 (Prov. 21:4)
"Há daqueles que são puros aos próprios olhos, e contudo nunca foram lavados da sua imundícia. Há daqueles cujos olhos são altivos, e cujas pálpebras são levantadas para cima". (Prov. 30:12,13)
São pessoas que criticam tudo, se consideram superiores a todos e donas da razão.
Não ouvem as demais, não aceitam ser ensinadas.
O princípio norteador da vida dessas pessoas é: "Não preciso de ninguém!"
Esquecem-se ou nunca aprenderam que na Igreja de Cristo somos servos uns dos outros (Gál. 5:13) e que somente assim a comunhão se torna verdadeira e por conseguinte, a edificação do Corpo.
A Palavra de Deus adverte a tais que assim agem: "A soberba precede a destruição, e a altivez do espírito precede a queda". (Prov. 16:18)

2. Deus detesta LÍNGUA MENTIROSA

Quando pensamos em mentira, é normal lembramos do "pai da mentira", satanás. Foi o próprio Senhor Jesus que declarou: "Vós tendes por pai o diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele é homicida desde o princípio, e nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade, quando ele profere mentiras, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira". (João 8:44)

Há várias advertências bíblicas sobre a prática da mentira:
Pv. 18:8 "As palavras do difamador sãp como bocados doces, que penetram até o íntimo das entranhas".
Pv. 18:21 "A morte e a vida estão no poder da língua".
Pv. 12:22 "Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor; mas os que praticam a verdade são o seu deleite".
e tantos outros...

A mentira destrói relacionamentos, casamentos, sociedades, igrejas e até vidas.
E realmente essa é a intenção do diabo: destruir, roubar e matar.
Por isso Deus detesta a mentira e os mentirosos não entrarão no reino dos céus.
"Quanto porém aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os MENTIROSOS, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte".

3. Deus detesta MÃOS QUE DERRAMAM SANGUE INOCENTE

O Senhor detesta a violência, o homicídio. O primeiro homicídio relatado na Bíblia foi o de Abel, em Gn. 4:8-10.
O espírito da violência está disseminado pelo mundo. Numa rápida olhada pelo jornais veremos diversos relatos de violência. A violência está cada vez mais banalizada em nossos dias.
E não é incomum vermos atos de violência entre irmãos e até entre conjuges crentes. É a mundanização das relações entre irmãos em Cristo.
Temos que advertir sempre que Deus detesta tais comportamentos e que por isso consequências terríveis advém de tais atitudes.






4. Deus detesta CORAÇÃO QUE TRAMA PROJETOS INÍQUOS
No caso de Caim, o Senhor o advertiu de que seu coração estava contaminado pela maquinação do mal (Gn. 4:7).
Tiago explica o que chamo de processo demoníaco/diabólico do pecado (Tg. 1:13-15):
"Cada um é tentado quando atraído e seduzido pela sua propria cobiça (desejo mau), então a cobiça, havendo concebido, dá a luz ao pecado; e o pecado sendo consumado, gera a morte."
Em Pv. 6: 12-15, a Palavra de Deus descreve "O homem vil e iníquo": "anda com a perversidade na boca, pisca os olhos, faz sinais com os pés, e acena com os dedos; perversidade há no seu coração, todo o tempo maquina o mal, anda semeando contendas. Pelo que a sua destruição virá repentinamente; subitamente será quebrantado sem que haja cura".
Percebemos então que devemos ter um coração quebrantado e puro. Não podemos deixar a mágoa, a ira, ressentimentos ou maldade fazer morada em nosso interior.
O prática do pecado nos torna insensíveis para com essa verdade e nos transforma em "brutos sem razão". A busca por uma vida santa e dedicada a Deus nos livra de sermos contados com os que vivem a tramar maldades e violências.

5. Deus detesta PÉS QUE SE APRESSAM A CORRER PARA O MAL
É preciso pedir a Deus, sempre, sabedoria.
Precipitações, impaciência, ingenuidade, fraqueza, tentações, ciladas do maligno... bem podem nos levar a "correr para o mal".
A Bíblia alerta quanto a isso: "Não é bom agir sem refletir; e o que se apressa com seus pés erra o caminho". (Prov. 19:2)
A orientação é para que antes de tomarmos uma decisão ou fazermos escolhas, devemos nos aconselhar com Deus. E como fazer isso?
a) Através da leitura, meditação e estudo pessoal da Palavra
b) Através da sensibilidade em ouvir Deus falando (um sermão, um estudo bíblico, uma situação da vida)
c) Através de um aconselhamento pastoral

Aqui vale o texto de Prov. 15:22 que diz: "Onde não há conselho, frustram-se (fracassam) os projetos; mas com a multidão de conselheiros há bom êxito".
E é óbvio que os conselheiros aqui mencionados no texto bíblico são pessoas que tem temor a Deus e que o conhecem e o servem, do contrário, os conselhos dados por pessoas ímpias podem nos levar a grande transtornos como o Salmo 1: 1,2 afirma: "Bem aventurado (feliz) o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores e nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do Senhor e na sua lei medita de dia e noite".
Em tudo precisamos primeiro ouvir o que Deus pensa e qual a orientação para agirmos. Nenhuma decisão ou escolha em nossa vida deve fugir a este princípio.

6. Deus detesta TESTEMUNHA FALSA QUE PROFERE MENTIRAS

Em Atos 6 temos o relato de como Estevão teve que enfrentar acusações de falsas testemunhas (Atos 6: 13,14). No julgamento do Senhor Jesus, os judeus do Sinédrio usaram o mesmo precedente contra o Mestre (Mat. 26:59). Talvez o caso mais escandaloso de falsas testemunhas de todos os tempos seja o de Mateus 28: 11-15, no caso do suborno dos guardas do sepulcro de Jesus, para que testemunhassem uma versão mentirosa, do roubo do corpo enquanto dormiram.
 A Bíblia adverte duramente os que se portam a tais atitudes: "A testemunha falsa não ficará impune; e o que profere mentiras não escapará." (Prov. 19:5)
  

7. Deus "ABOMINA" O QUE SEMEIA CONTENDA ENTRE IRMÃOS
Tais pessoas são abomináveis para Deus.
E é mesmo terrível ver essas pessoas em ação. Conturbam ambientes, transtornam reuniões e magoam profundamente as demais pessoas com que convivem.

São aqueles que trazem à tona assuntos já resolvidos, já tratados, já perdoados. São os que trazem a público questões que são íntimas das pessoas e que por assim o serem devem ser tratadas com todo cuidado, sabedoria e discernimento.
Ao invés de pacificar situações acabam por jogar "mais lenha na fogueira". Atiçam os ânimos dos demais e fortalecem conflitos e atritos.
Amam uma "boa briga" e sempre estão dispostos a uma fervorosa discussão, mesmo que o assunto não diga respeito a eles e muito menos estão preocupados com as pessoas envolvidas.
São os "crentes Bruce Lee".
Destroem amizades e contaminam igrejas.
Certamente de todas as atitudes destestáveis aqui mencionadas, as dessas pessoas são as mais abomináveis pois conseguem em pouco tempo trazer muita destruição aos relacionamentos entre irmãos e consequentemente a obra de Deus.
A Bíblia alerta a esses em diversos textos:
"O homem vil suscita o mal; e nos seus lábios há como que um fogo ardente. O homem perverso espalha contendas, e o difamador separa amigos íntimos. O homem violento alicia o seu vizinho e guia-o por um caminho que não é bom. Quando fecha os olhos fá-lo para maquinar perversidades, quando morde os lábios, efetua o mal". (Prov. 16:27-30)
"Faltando lenha, apaga-se o fogo; e não havendo difamador, cessa a contenda. Como o carvão para as brasas, e alenha para o fogo, assim é o homem contencioso para acender rixas. Quando te suplicar com a voz suave, não o creias; porque sete abominações há no seu coração. Ainda que o ódio se encubra com dissimulação, na congregação será revelada a sua malícia." (Prov. 26: 20-26)
"O que perdoa a transgressão busca a amizade; mas o que renova a questão, afasta amigos íntimos." (Prov. 17:9)

Conclusão
Este artigo tem como objetivo nos alertar para tais atitudes. Para que não incorramos em praticar estas coisas que Deus considera detestáveis e abomináveis.
Lembremos de Prov. 15:3 que nos afirma: "Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons."
Que nos preocupemos com nossas ações. Não despertemos a ira de Deus.
Deus nos observa e no grande dia nos apresentaremos ante o Tribunal de Cristo (2 Cor. 5:10; Rom. 14:10), onde cada atitude, dom, talento, palavra e ato feito por meio do corpo serão julgadas pelo nosso Senhor.
Busquemos então a recompensa e a declaração do Mestre: "Servo bom e fiel, foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei, entra no gozo de teu Senhor" (Mat. 25:23).

Deus os abençoe.

Pr. Magdiel G Anselmo.


quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Progredindo ou Regredindo ???

Estava pensando outro dia em como a nossa vida mudou depois do surpreendente avanço tecnológico, científico, digital, etc...
Não há como nos imaginar sem o celular, sem o computador, sem a TV digital, sem os canais fechados e pagos, sem as mídias diversas existentes, sem o GPS, sem a internet, etc...
É o tão falado progresso, e realmente progredimos em muitas áreas.
Mas, será que isso foi realmente bom pra todos nós?
Será que essas inovações e toda essa parafernália nos trouxe mais benefícios do que malefícios?
Claro que não ignoro as vantagens desse novo mundo em relação a qualidade de vida que nos proporcionou.
Ficamos mais confortáveis, comunicáveis, conhecidos, enfim, a comunicação ficou mais acessível e mais real. Facilitou muito a vida profissional, acadêmica, escolar, enfim nossa vida melhorou em vários sentidos. Sei disso tudo.
E todos querem ter a última novidade lançada, desejam estar atualizados e para isso compram e investem seu tempo e dinheiro para possuir mais e mais, afinal de contas, as coisas mudam rapidamente e ninguém quer ficar pra trás.
E todo esse novo contexto trouxe muitas filosofias de vida que acabaram por transformar a nossa realidade e diria com muitos transtornos e confusões nesse pacote.
O conceito de consumismo, pragmatismo e relativismo criaram uma geração de pessoas que não valorizam o esforço do passado e muito menos aprendem com ele.
O consumismo trouxe a falsa sensação de que possuindo coisas podemos ser melhores pessoas. Ledo engano.
Podemos ter mais conforto e quem sabe até mais "amigos", porém, isso em nada melhora o nosso cárater ou nosso coração, diria que pode sim piorar muito, pois o conforto é inimigo da ação e muitas vezes Deus nos tira de nossa "zona de conforto" pra nos ensinar, alertar, repreender, etc...


O pragmatismo trouxe o conceito de que o melhor sempre é o mais fácil e mais rápido. Encurtar o caminho é a melhor forma de ser feliz. Grande mentira.
Muitas vezes, o caminho mais longo, mais difícil é o melhor caminho pra nós. É assim que aprendemos e que ganhamos experiência, bagagem para a vida.


O relativismo ensinou que todos estão certos a respeito de tudo e ninguém está errado, pois não existe a verdade, mas sim "verdades". Eu tenho a minha, você tem a sua e assim por diante e todos temos que conviver e respeitar "as verdades" sem nunca defender a nossa como a certa ou criticar a do outro como a errada. Isso é preconceito, afirmam. Ardil sutil de satanás. Claro que existe a verdade absoluta. O Senhor Jesus afirmou: "Eu sou o caminho, A VERDADE e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 14:6)

Mas essas filosofias novas não conseguem entender essa verdade.
São "senhores de si mesmo" que nunca foram ou desejaram ser aprendizes, pois seguem os seus próprios desejos e caprichos em detrimento da experiência e da história da própria humanidade que os gerou e do Deus que os criou.
São manipulados pelo mercado e pelos formadores de opinião da mídia (eu diria que são mais deformadores do que propriamente formadores de opinião) e pelos governantes que apoiam seus devaneios e delírios.
São gananciosos, violentos em defender seu modo de vida, rejeitam toda tentativa de ensinar-lhes princípios cristãos, e rotulam os que se dobram a Cristo e andam em seu caminho de fanáticos, loucos, homofóbicos e até de não respeitar os direitos alheios. Difamam tudo quanto não compreendem e se corrompem cada vez mais em suas atitudes.  
E caminham sem princípios absolutos, sem crenças robustas, sem ética e muito menos respeito ao próximo e as conquistas sérias dos que vieram antes e que abriram estradas para que eles hoje caminhem.
A Bíblia chama estes de nuvens sem água impelidas pelo vento, árvores sem frutos, ondas bravias do mar que espumam suas próprias sujeiras, estrelas errantes para os quais tem sido guardada a negridão das trevas, para sempre (Judas 13).
E tristemente essas filosofias tem adentrado o ambiente de nossas igrejas e com a mesma sutileza, astúcia e carnalidade tem tentado corromper e destruir o bom trabalho da obra de Deus.
Quero mencionar algumas dessas tentativas a seguir:

1. O Cristianismo tradicional no entendimento destes não "desce redondo e macio", mas o "cristianismo light" sim, ou seja, vamos substituir os antigos hinos e canções pelas novas e "sensacionais" músicas de hoje, afinal de contas elas eram muito "chatas". Viva a música gospel e os "grandes" cantores e grupos atuais. Viva o Show!

2. Por que não também substituir o velho estilo de sermão por uma boa conversa de bar, ou trocar o maçante discurso do pastor por uma boa encenação teatral? Afinal de contas o que vale é o entretenimento. As pessoas gostam e retornam para o próximo espetáculo.

3. Todos tem o direito de selecionar o que ouve e o que faz na igreja. Por que não ter cultos sob medida? Afinal de contas, o freguês tem sempre razão e o estilo "self-service" é uma boa idéia.

4. Não se pode de forma alguma realizar pregações que apontem pecados ou que deixem as pessoas constrangidas. Todos tem que se sentir muito bem na igreja. O culto tem que ser agradável pra mim. Afinal de contas, a vida já é tão difícil e dura, por isso quero quando for a igreja ser elogiado, afagado e consolado. Nunca confrontado.

5. Não concordo com esse negócio de ter que vir toda semana a igreja. Tenho mais o que fazer e minha vida é muito corrida. Afinal de contas, posso adorar e servir a Deus sem ter que me comprometer com grupo algum de cristãos e mais tenho centenas de irmãos que diariamente converso e partilho experiências pela internet. Não preciso ir a um prédio pra isso.

6. Não preciso que ninguém me ensine a Palavra de Deus. Tenho o Espírito Santo pra isso. Não preciso de pastor e até penso que eles na realidade querem é enriquecer as minhas custas. Eu me basto.

e assim por diante...

Todas essas tentativas negam e desprezam o estudo e ensino bíblico sério e responsável.
Não levam em consideração a Palavra de Deus.
Bastaria uma simples leitura do Novo Testamento para que essas pessoas percebessem o que Deus pensa sobre louvor, adoração, pregação, igreja local, pastorado e a obra do Espírito Santo.
Mas preferem prosseguir vivendo debaixo de conceitos carnais e até em alguns casos diabólicos e trazem pra si destruição e sofrimento desnecessários.
Que tenhamos discernimento e sabedoria para distinguir os benefícios de todo o progresso da humanidade e separar o que é bom, usando esses benefícios em prol de nossa edificação e do ensino e propagação do Evangelho de Cristo.
Que tenhamos coragem e seriedade para rechaçar todos os conceitos e filosofias que teimam em adentrar no seio da Igreja, defendendo a sã doutrina desses ataques externos e internos.
Que tenhamos bom testemunho e dependência de Deus para ao assumir o verdadeiro Cristianismo não tropeçarmos também em nossa vaidade e soberba.
Que Deus nos ajude a permanecer humildes e fiéis.

Glórias a Deus para sempre !

Pr. MAgdiel G Anselmo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...