segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Cartas de Cristo

Antes do surgimento da grande rede (internet), do avanço da tecnologia, da telefonia como vêmos hoje (antes o que nos restava era o temível Plano de Expansão), dos telefones móveis (celulares) e da era digital e informatizada, uma das mais conhecidas e utilizadas formas de comunicação entre as pessoas era a correspondência escrita em papel e enviada em envelopes selados pelos Correios ou de forma informal entregue em mãos. Hoje foram substituídos pelos email's, MSN, redes sociais virtuais, torpedos, SMS e coisas semelhantes. Não há mais o contato físico com as mensagens. Antes era mais pessoal. Havia ali naquele papel a caligrafia do remetente, era a letra dele. Parecia mais humano.
Não vai aqui uma crítica aos avanços da humanidade. Somente me permiti um pouco de nostalgia e saudade das coisas antigas. Elas tinham suas virtudes...
Mas, retornando as cartas que eram usadas antes desse avanço, voltemos um pouco na história e lembremos de alguns fatos.
Os da minha geração vão se lembrar bem do que escrevo aqui.
Quem da minha geração não recebeu ou enviou uma "cartinha" de amor na época escolar, cartinha muitas vezes recebida por um menino, encharcada do perfume da menina apaixonada, colocada escondida no material da pessoa amada ou entregue por um amigo(a) confidente? Cartinhas cheias de "eu te amo", "você é tudo pra mim" e decorada com corações e cores diversas.
Quando alguém recebia uma destas cartas era imediatamente impactado pela sensação de bem-estar e satisfação, afinal era uma carta que trazia uma mensagem de amor. E quem não gosta de ser amado? Era muito bom receber e ler tais cartas.
Mas, também haviam as cartas que vinham de longe trazendo más notícias, a morte de um familiar ou uma situação de sofrimento partilhada por alguém ao destinatário. Traziam uma mensagem de tristeza e de sofrimento quando lidas. Cartas de luto e morte.
Além desses tipos de cartas haviam cartas que traziam mensagens de conquista, alegrias e de vitória em quem as recebia e lia, como uma carta informando uma promoção profissional, uma tão sonhada entrada na universidade ou a aprovação em um concurso ou empresa. Cartas de sucesso.
Porém, alguns podem lembrar com pesar de terem recebido uma carta que trazia uma mensagem de fracasso e perda. Cartas que possuíam uma mensagem do tipo: "...a partir dessa data a empresa não necessita mais de seus serviços...". Cartas de demissão. Quem as recebia e lia eram cheios do sentimento de fracasso e frustração.
Nesse contexto de tipos de cartas, lembro de uma vez receber uma carta enviada por um amigo onde mesmo lendo várias vezes, não conhecia entender o que ele queria me dizer. Era escrita sem um assunto central, objetivo ou propósito. Comecava um assunto, quando eu começava a entender ia pra outro sem terminar o primeiro e muitas vezes contrariando o primeiro assunto escrito. Não havia sentido. Não se conseguia entender a mensagem que o remetente desejava comunicar. A sensação ao tentar ler esta carta era de total insatisfação, confusão e decepção. Cartas sem sentido. Cartas difíceis de entender.
Nesta época aúrea dos Correios e Telégrafos, onde a maioria da população utilizava seus serviços para se comunicar, ocorriam problemas que traziam muitos transtornos. Um destes era o extravio de cartas. Elas não chegavam no destinatário. De alguma forma se perdiam pelo caminho, se desviavam de seu objetivo e finalidade. Eram cartas que foram escritas até com muito sentido e com mensagem clara, porém no percurso, no trajeto que tinham que percorrer até chegar no destinatário foram extraviadas. Cartas que não chegaram. Cartas que se perderam.
E tantos outros tipos de cartas existiam. Cartas borradas. Cartas sujas. Cartas engraçadas. Cartas, cartas, cartas...
E ainda falando sobre cartas. A Bíblia também menciona um tipo de carta. Veja a seguir o texto de 2 Coríntios 3: 1-3.

"Começamos, porventura, outra vez a recomendar-nos a nós mesmos? Ou temos necessidade, como alguns, de cartas de recomendação para vós outros ou de vós?
Vós sois a nossa carta, escrita em nosso coração, conhecida e lida por todos os homens, estando já manifestos como carta de Cristo, produzida pelo nosso ministério, escrita não com tinta, mas pelo Espírito do Deus vivente, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne, isto é, nos corações."

Paulo, escrevendo aos irmãos coríntios declara que as cartas de recomendação de seu ministério eram os próprios coríntios. E ainda ressalta que estes eram cartas de Cristo, com uma mensagem escrita pelo próprio Deus em seus corações. E afirma que esta mensagem é conhecida e lida por todos os homens.
Entendemos então que nós como filhos e servos de Deus somos também cartas de Cristo. E que Deus (o remetente) escreveu uma mensagem em nós para ser entregue e lida por todas as pessoas (destinatários).
A mensagem escrita é a das Boas Novas de Salvação em Cristo, uma mensagem de amor e esperança. Uma mensagem que traz paz, libertação e vida. Uma mensagem que produz alegria e satisfação plena e eterna em quem a lê e a recebe em seu coração, tornando-se também mais uma das cartas de Cristo.
Porém tais quais as cartas de minha geração, algumas destas se perderam, se extraviaram pelo caminho. Algumas outras tiveram outras mensagens escritas  que contrariam a mensagem original e por isso o entendimento de quem lê é prejudicado. Outras foram borradas e sujas pelo pecado, rebeldia e pela desobediência. Outras ainda se tornaram motivo de piada e chacota pela falta de firmeza e santidade, transformando-se em verdadeiras cartas sem sentido e coerência.
As perguntas são:
Se você é uma carta de Cristo o que estão lendo em você?
Qual mensagem você está comunicando às pessoas?
Qual a sensação que a leitura provoca em seus leitores? Será paz, alegria, satisfação, amor... ou tristeza, sofrimento, dor e fracasso?
A mensagem original escrita pelo Espírito do Deus vivente está preservada?
Você a preservou de tal forma que as pessoas estão entendendo e compreendendo esta mensagem?
A mensagem está chegando aos seus destinatários?
Entenda, as pessoas estão lhe vendo. E mais, estão lendo você. Estão nos lendo.
Cuidemos para que nossos leitores tenham um boa leitura. Uma leitura que os abençoe. Uma leitura que os conduzam a salvação em Cristo Jesus.
Alegremos o divino remetente.
Cumpramos nossa missão.



Pr. Magdiel G Anselmo.








2 comentários:

  1. Paz! Ainda não cheguei aos 30 anos, mas também sinto nostalgia por coisas como as que o senhor mencionou aqui.
    Um instrumento pra fazer diferença na vida de outros é nosso testemunho, nossa vida deve ser a prova absoluta de que Jesus é quem realmente disse ser. Que as pessoas possam encontrar em nós Cristo, ao "ler" nossas vidas.

    ResponderExcluir
  2. Olá Pr.

    Com muita alegria temos recebido suas mensagens e para a Glória do nosso Deus, seu blog está uma bênção. Creio plenamente que muitas vidas estão sendo profundamente abençoadas. Como membro da Rede social Cristã, você têm à disposição um portal que temos criado para abençoar vidas que também não sejam membros de nossa rede e possivelmente serem levadas a se tornarem membros. Gostaríamos de contar com sua colaboração enviando textos, também para o nosso portal - http://portalrsc.blogspot.com. Queremos também informar que os textos que são postados em seu blog da Rede Social Cristã, podem ser selecionados para o portal. Ao ser inseridos os textos é dado todo o crédito com link de redirecionamento para a página de origem do texto.

    Louvamos à Deus por sua vida e contamos com sua participação.

    Um grande abraço,

    Em Cristo Jesus,

    Administradores da Rede Social Cristã (http://redesocialcrista.ning.com)
    Pr. Waldyr e Luiz Clédio

    ResponderExcluir

Faça seus comentários. Sua opinião é importante. Participe.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...