quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Em Defesa da VIDA

Na internet encontramos informações e materiais de todos os tipos. Sites, blogs, redes sociais, etc... Há informações interessantes, úteis, engraçadas, chocantes, bizarras e até impróprias e nocivas. Materiais que ajudam, contribuem para enriquecer o conhecimento, fontes idôneas, mas também muito material inútil, destrutivo e pernicioso a qualquer pessoa.
Há oportunidades também variadas na grande rede. Pode-se usá-la para publicidade, propaganda e como ferramenta de marketing. Também para divulgação de projetos, trabalhos e instituições educacionais e afins das mais diversas. Ainda, existem profissões que necessitam da internet e dela se utilizam para continuarem a existir.
No contexto cristão, a internet pode ser usada como propagação do Evangelho, para divulgação de projetos e campanhas evangelísticas, além de facilitar o estudo e o aprofundamento daquelas pessoas que buscam crescer no conhecimento teológico e em sua carreira eclesiástica. Mas, como na vida secular, no contexto cristão existem informações e materiais bons e ruins, construtivos e destrutivos, santos e profanos.
Este vídeo inserido aqui é um exemplo de como a internet pode ser utilizada para enganar, iludir e corromper as pessoas.


 
O então denominado “bispo” descaradamente propaga concepções e opiniões frontalmente contrárias a tudo que a Bíblia nos ensina e revela sobre a vida e sua importância.
Com autoridade que não possui e destacada arrogância pronuncia um emaranhado de opiniões sem fundamento bíblico e ainda menospreza de forma vil os que possam discordar de seus argumentos. Argumentos esses que chegam as raias da insanidade.
Quero deixar bem claro que não pactuo de posturas intransigentes com relação a ajudar e facilitar a vida das pessoas que passam dificuldades e privações. Sou a favor de a Igreja manter sempre ativo a ação social e a generosidade com todas as pessoas, independente de qual crença e fé professem, desde que não nos levem a pecar. Mas essa minha posição não se coaduna com os excessos e radicalismos absurdos proferidos pelo “bispo”.
Não necessito aqui fazer uma abordagem teológica e uma exegese exaustiva de textos bíblicos para que se entenda e se revele a sandice das opiniões do “bispo” da IURD. Toda a Bíblia revela-nos um Deus que valoriza a vida (por isso a criou), que detém o poder de doá-la e de retirá-la. Um Deus que considera crianças como pertencentes ao reino de Deus. Mas, vale a pena lembrar que há inúmeros ensinamentos nas Escrituras que deixam muitíssimo clara qual é a visão de Deus sobre o aborto. Jeremias 1:5 nos diz que Deus nos conhece antes de nos formar no útero. Êxodo 21:22-25 dá a mesma pena a alguém que comete um homicídio e para quem causa a morte de um bebê no útero. Isto indica claramente que Deus considera um bebê no útero como um ser humano tanto quanto um adulto. Para o cristão, o aborto não é uma questão sobre a qual a mulher tem o direito de escolher. É uma questão de vida ou morte de um ser humano feito à imagem de Deus (Gênesis 1: 26-27; 9:6).
O Salmo 139.13-16 traz-nos um exemplo extraordinário daquelas passagens que se referem a uma pessoa em seu estado fetal. Entre outras frases significativas encontra-se o versículo 13: “entreteceste-me no ventre de minha mãe”. A importância desta declaração reside no fato de que o salmista refere-se a si mesmo na sua identidade humana pessoal embora estivesse no ventre de sua mãe: “entreteceste-me”. Ele refere-se a si mesmo, antes e depois do nascimento, na sua unidade psicossomática. Aquele que agora dá graças a Deus, no versículo 14, é o mesmo que foi maravilhosamente formado em secreto no ventre da sua mãe, versículos 13 a 15.
Lucas 1.24-26 é uma passagem que muito me fascina. Penso ser esclarecedora e uma das mais relevantes do Novo Testamento. O versículo 41 diz que a criança de Isabel lhe estremeceu no ventre quando ela ouviu a saudação de Maria. “A criança estremeceu de alegria dentro em mim” (v.44). Temos aqui um feto de seis meses descrito nos termos da emoção humana da alegria. Esta mesma criança é tratada, no versículo 36, como “um filho”.
Há muito outros textos, mas considero suficientes os mencionados para qualquer pessoa que honestamente deseja entender a opinião do Deus da Bíblia sobre o aborto.
Alguns argumentam que não há uma referência explícita e direta quanto ao aborto. Considero esta argumentação muito fraca, pois toda a Bíblia é unânime ao considerar o nascituro como um ser humano e por considerá-lo assim, isso indica que o aborto voluntário é a violação de um dos mandamentos de Deus: “Não matarás”.
Pode-se objetar que tal comprovação é esparsa e indireta; não é uma proibição explícita. Mas isso não é, em si mesmo, uma objeção substancial. Muitas das provas bíblicas sobre tantas e importantes questões se apresentam de modo semelhante. Isso faz parte da natureza da revelação bíblica. A falta de clareza não pode ser usada para forçar a aceitação do aborto, ou a sua indiferença.
Dito isto, alguns questionam os que são contrários ao aborto a uma “insensibilidade”, quanto ao sofrimento de mães e crianças.
É óbvio que precisamos sim ensinar as pessoas a planejar o crescimento de suas famílias, de entender a importância de criar e cuidar de seus filhos razoavelmente. Esta orientação deve ser prioridade não somente de nossos governantes, mas também de todo cidadão consciente de seus deveres como tal.
Precisamos combater a miséria e a fome. Precisamos ter políticas que ajudem as pessoas a viver com uma qualidade de vida melhor. Precisamos combater a epidemia das drogas e a proliferação da violência e promiscuidade. Precisamos cuidar dos que sofrem de forma prática e urgente. Precisamos abrigar e abraçar as crianças abandonadas e desprezadas que habitam nas ruas de nossas cidades.
Precisamos ajudar os que não assim fizeram. Para que eles possam, pelo menos, daqui pra frente viver dignamente.
Precisamos ensinar. Precisamos ser exemplos. Precisamos não fechar os olhos para o sofrimento e a miserabilidade que assola o mundo. Precisamos fazer a diferença.
Tudo isso é necessário e ainda mais.
Porém, não resolveremos esses problemas fazendo com que estas pessoas desapareçam. Fazendo com que sejam exterminadas, assassinadas.
Este conceito e atitude foram largamente utilizados em um passado muito próximo. Adolf Hitler entendeu que os problemas dos alemães eram as outras raças, era a mistura e a influência destas na que ele chamou de “raça ariana”. E para resolver este problema exterminou milhões de seres humanos implacável e cruelmente. Em um passado um pouco mais distante, os cristãos foram perseguidos e muitos foram assassinados porque seu número crescia aos olhos dos outros povos. Foram mortos de várias maneiras, todas com requintes de crueldade.
Já vimos isso na história da humanidade. Conhecemos bem este tipo de pensamento. É característico de quem não conhece a Deus e conhece com certa intimidade aquele que vive apenas para roubar, MATAR e destruir.
Ora, o que é o aborto? Penso eu que não se comete aborto contra outra coisa, senão contra vida de alguém? Logo o que chamam de aborto é a autorização que inconstitucionalmente, o código penal brasileiro dá a algumas pessoas para matar fora do tempo de guerra, pior contra inocentes, indefesos, sem tribunal, de modo sumário. Verdadeiro descarte. Filho de estuprador corre o risco de ser estuprador, filho de ladrão corre o risco de ser ladrão, se vai morar na favela será marginal.
Karl Marx venha ver a sua estupidez, ainda hoje tem gente acreditando que o homem é produto do meio.
Sei que existem casos de gravidez indesejável, por estupro, de bebês que tem anomalias e de gravidez com sérios riscos de morte a mãe. Sei disso tudo, já estive aconselhando pastoralmente grávidas que passavam por estas situações terríveis. E sei, sou testemunha de muitas mulheres, que apesar disso, tiveram seus filhos e hoje agradecem a Deus por não ter abortado. Também é público e notório o arrependimento das mães que um dia abortaram, seja por qual razão foi. Basta conversar com uma delas e você percebe a dúvida se fizeram o certo e a tristeza que inunda o coração quando mencionam o assunto.
Penso que a criança resultante de estupro/incesto pode ser dada para adoção por uma família amável incapaz de ter filhos por conta própria ou a criança pode ser criada pela mãe. Mas em hipótese alguma, o bebê deve ser punido pelos atos malignos do seu pai.
Mas, a realidade é outra. 94% dos abortos realizados hoje em dia são por razões diferentes da vida da mãe estar em risco. A vasta maioria das situações pode ser qualificada como “Uma mulher e/ou seu parceiro decidindo que não querem o bebê que eles conceberam”. Isto é um terrível mal. Mesmo nos outros 6%, onde há situações mais difíceis, o aborto jamais deve ser a primeira opção. A vida de um ser humano no útero é digna de todo o esforço necessário para permitir um processo de concepção completo.
Para aquelas que fizeram um aborto – o pecado do aborto não é menos perdoável do que qualquer outro pecado. Através da fé em Cristo, todos e quaisquer pecados podem ser perdoados (João 3: 16; Romanos 8:1; Colossenses 1:14).
Uma mulher que fez um aborto, ou um homem que encorajou um aborto, ou mesmo um médico que realizou um. Todos podem ser perdoados pela fé em Cristo.
Ressalto que não se resolve a violência, um estupro, a miséria, a fome e as desigualdades sociais assassinando bebês. Não são os bebês causadores dos sofrimentos da humanidade. Por que devem eles pagar e serem punidos pelo que não fizeram? Por que eles devem ser submetidos a pena de morte sem ser merecedores dela? Eles só desejam continuar vivendo.
Se fosse correto o aborto, deveríamos então exterminar os mendigos, os moradores de rua, os moradores de favelas, as crianças abandonadas, os viciados em drogas, os aidéticos, etc... Todos aqueles que sofrem e que vivem em um submundo deveriam por essa ótica serem varridos de sua existência. Assim resolveríamos o problema. Daríamos o golpe de “misericórdia”. Cessaríamos com o sofrimento deles e o incômodo de ter que conviver de certa forma com eles.
Ora, sr. Macedo, tenha paciência. Como pode propagar tal atitude horrenda e nefasta?
Já não chega suas heresias e práticas pecaminosas que teima em ensinar aos desvalidos. Já não basta se utilizar do poderio da mídia para influenciar as mentes dos desavisados e iludi-los com um pseudo-evangelho? Já não basta torná-los inconstantes e confusos. Agora quer fazer deles também homicidas?
Apelo a Deus que use de misericórdia para contigo e lhe faça acordar e despertar desse seu sono de morte. Que lhe faça retornar ao Evangelho de Cristo (se é que algum dia o conheceu). Deus o ama, a Igreja de Cristo o ama. Deus ama o pecador, mas abomina o pecado. Deus é amor. Mas, sua justiça é igualmente eterna e não tarda. As conseqüências de tal atitude de escárnio a Palavra de Deus são tristes para ti. Arrependa-te enquanto é tempo.
Apelo aos meus irmãos que, por amor a Cristo, combatam tal absurdo e ajudem aos que não compreendem ou estão confusos quanto à questão. Pregue o amor à vida, a valorização do dom dado por Deus e não a propagação da morte e o extermínio de bebês.

Por amor a Cristo e Sua Palavra façam isso.
Desejo a todos muita vida. Vida em Cristo. E vida com abundância.

E disse o Senhor Jesus:

(...) Eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância.
João 10: 10b

“Eu sou o caminho, a verdade e a VIDA, ninguém vem ao Pai senão por mim.”
João 14: 6.

(...) Deixai vir a mim os pequeninos, não os embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus.
Marcos 10: 14b.

Pr. Magdiel G Anselmo.


4 comentários:

  1. Aborto é assassinato.
    Quem prega o aborto prega contra a Palavra de DEUS.
    Se um sacerdote de DEUS prega contra a Palavra de DEUS, então ele é um inimigo de DEUS.
    Edir Macedo é inimigo de DEUS, uma abominação.

    LIMUD

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente, o aborto ainda é o caminho mais fácil, a opção mais confortável, diante dos casos de gravidez indesejada. Com isso, multiplicam-se os casos a cada dia; mais e mais progenitoras (não mães, porque o conceito de mãe é diferente) optam por este expediente.
    Por isso, afirmo categoricamente que nós, cristãos, precisamos nos posicionar - e isto de forma adequada - em cada foro onde o assunto é abordado. Se é no foro da fé, devemos fazer como o Pr. Magdiel fez aqui nesta postagem, com primor, combatendo o bom combate as bases bíblicas, com as armas esprituais. Se é no foro político, devemos aproveitar a eleição e verificar a opinião de cada candidato sobre o tema, bem como o trabalho pregresso do mesmo, em caso de reeleição. Somos, ao mesmo tempo, crentes em Cristo e cidadãos brasileiros.
    Não generalizando - o que implicaria em perda de conteúdo e realidade - uma das causas do aborto é a gravidez indesajada de adultos, jovens e adolescentes não-casados (aliás, isso já foi matéria jornalística). "E agora, como vou ficar? Acabaram-se os meus projetos..." é o que dizem muitos jovens nesta situação. A melhor resposta, direta e sem rodeios, que um pai pode dar é "agora, vocês vão assumir a criança". Não escorraçando o filho transgressor, mas também não "passando-lhe a mão na cabeça", mas amando-o de forma responsável. Nenhum filho está livre de cair, mas uma queda não justifica outra.

    Graça e Paz!

    ResponderExcluir
  3. Temos que nos colocar, nos pronunciar diante desse tipo de coisa, não podemos ficar calados diante de tudo isso, esse homem é um louco perdido em suas próprias razões!
    Parabéns pelas suas colocações! É bom ver um lugar sério onde o genuíno EVANGELHO DE JESUS é anunciado.
    Espero ter a honra de sua visita no meu humilde espaço virtual.

    http://planosdivinos.blogspot.com

    Lá questionamos os nossos planos que nem sempre são os planos de DEUS.

    ResponderExcluir
  4. A PAZ DO SENHOR PARA TODOS OS SERVOS DE DEUS, EU NÃO POSSO NEM CHAMAR EDIR MACEDO DE BISPO, E SIM DE BICHO, ELE ESTA NO LUGAR DE FARAÓ E HERODES, QUERENDO MATAR AS CRIANCINHAS AINDA NO VENTRE DA MÃE, REPUDIO O SEU DISCURSO EM DIZER QUE PAGA ATÉ A CIRURGIA DOS TAIS PASTORES DE SUA IGREJA PARA NÃO GERAREM FILHOS, A PALAVRA DO SENHOR DIZ QUE FILHOS SÃO BENÇÃOS DO SENHOR, E FILHOS DE PASTORES NO MEU ENTENDIMENTO SERÃO FUTUROS SERVOS DE DEUS. AINDA BEM QUE ELE FALOU MINHA IGREJA, CONFIRMANDO ASSIM QUE A UNIRVERSAL NÃO É DO SENHOR JESUS E SIM DELE. QUE O SENHOR JESUS ABENÇOE A TODOS.

    ResponderExcluir

Faça seus comentários. Sua opinião é importante. Participe.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...